- Blog CAE Treinamentos - O que é Muda, Mura, Muri (3 M's)? Confira tudo sobre esses desperdícios

Não é cena incomum encontrarmos artigos e publicações falando sobre o Sistema Toyota de Produção. Afinal, essa é uma das metodologias empresariais mais utilizadas ao redor do mundo, dentro das mais diversas companhias, principalmente por conta de seus muitos resultados positivos. Sabendo disso, a procura por métodos como os 3 M’s também é bem grande.

Isso acontece porque eles são parte fundamental do sucesso do Sistema Toyota. Com foco na redução de desperdícios, essa ferramenta permite tornar a sua empresa mais enxuta, melhorando a sua produção e aumentando o seu lucro. 

Sabendo disso, neste artigo detalharemos tudo o que você precisa saber sobre o que é Muda, Mura, Muri, os 3 M’s que podem causar uma verdadeira revolução na sua empresa. Continue acompanhando e descubra tudo! Boa leitura! 

O que é Muda, Mura, Muri (3 M’s)? 

Em linhas gerais, os 3 M’s podem ser definidos como uma metodologia integrante do Sistema Toyota de Produção. 

Os 3 termos, quando utilizados de maneira conjunta, visam diminuir o desperdício dentro da empresa e torná-la mais eficaz, diminuindo o desperdício e aumentando a produtividade. 

Muitas vezes esse método é utilizado juntamente com o Lean, uma das mais consagradas ferramentas de gestão da qualidade no mundo. 

Afinal, ambos visam criar uma empresa enxuta, que trabalha apenas com os processos necessários para produzir de maneira qualitativa e quantitativa. 

A definição dos 3 M’s

Falando de forma abrangente, os 3 M’s são diferentes classificações de atividades que geram desperdícios e podem acontecer dentro de uma empresa. 

Ou seja, dentro das companhias, o objetivo principal é combatê-los, fazendo com que deixem de fazer parte do cenário de produção. 

Abaixo detalhamos o que é Muda, Mura, Muri, individualmente, para que você entenda como reduzir esses desperdícios em sua empresa. 

Muda

O Muda é considerado por muitos o tipo de desperdício mais prejudicial para a produtividade e crescimento das organizações. Ele se trata do número exagerado de processos e atividades que não agregam no resultado final do produto. 

Ou seja, etapas de produção e retrabalho que fazem com que tudo se torne mais lento e demorado, afetando seriamente o desempenho final da empresa. 

Para deixar mais claro, vamos exemplificar: imagine uma fábrica de toalhas. Para a produção dos itens são realizados diversos processos, sendo o final deles uma conferência se o tecido não ficou com rebarbas em seu corte. 

Caso o trabalho de corte do tecido fosse perfeito, essa última atividade não seria necessária. Sendo assim, ela pode ser considerada um desperdício “muda”, já que sua existência é dispensável através de melhorias nos demais processos de produção.

Mura

A Mura, por sua vez, representa as irregularidades dentro da produção da empresa. Comumente, ela é caracterizada por altos e baixos, os quais são advindos não de fatores externos, mas exclusivamente internos. 

Assim, cansaço dos colaboradores, pressão exacerbada em alguns momentos do dia e trocas de turnos são apenas alguns fatores que comumente geram a Mura dentro das companhias. 

Dentro do exemplo da fábrica de toalhas, a Mura pode ser caracterizada como aqueles momentos, nos quais, o trabalho se acumula e depois de finalizado gera tempo livre para os funcionários. Ou seja, em alguns horários do dia eles trabalham intensamente e em outros não produzem quase nada.

Muri

A última das atividades que geram desperdícios é o Muri. Em uma tradução livre para o português, ele pode ser definido como “sobrecarga”. 

Ou seja, o excesso de atividades, tanto para a força de trabalho quanto para as máquinas, os quais, podem gerar consequências negativas para a empresa. 

Quando o Muri é uma realidade na empresa, os problemas começam a aparecer em todos os cantos. 

Excesso de manutenção nas máquinas, paradas de produção e problemas psicológicos nos colaboradores devido ao estresse, são algumas das atividades que geram desperdícios nesse formato e podem causar grandes dificuldades para a companhia.

Atividades que geram desperdícios: como identificar os 3 M’s

(muda-mura-muri)

https://pixabay.com/pt/photos/escrit%C3%B3rio-em-casa-336581/

Como você pode perceber, os 3 M’s são, na verdade, atividades extremamente prejudiciais para as companhias. Quando se tornam uma realidade, eles afetam seriamente a produtividade da companhia, o que a longo prazo pode trazer danos até mesmo para seus lucros e também na sua imagem no mercado.

Nesse sentido, é de extrema importância aprender como identificar o que é Muda, Mura e Muri dentro das empresas. 

Apenas desse modo se tornará possível combater esses 3 problemas tão nocivos e que podem trazer tantas barreiras para o crescimento da companhia. Para isso, alguns passos importantes são:

  • Entenda qual é o ciclo produtivo da sua empresa; 
  • Faça um mapa de fluxo de valor, para descobrir os principais processos e como eles são realizados. 
  • Com a ajuda dos colaboradores, descubra quais são os erros e falhas mais comuns na empresa;
  • Crie relatórios para verificar quais foram os períodos do dia, semana e mês em que as falhas mais aconteceram; 
  • Faça pesquisas em todos os setores para entender os seus problemas individuais, bem como os fatores que causam mais dificuldades no dia a dia produtivo.

Como solucionar os 3 M’s em 5 passos 

Até aqui com toda a certeza já ficou bem claro que ter os 3 M’s na sua empresa é um fator que pode gerar problemas de todos os tipos. 

Afinal, eles afetam todas as áreas da companhia, das linhas de montagem ao maquinário e até mesmo a saúde dos colaboradores.

Portanto, é evidente também que depois de identificá-los é necessário aprender a combatê-los. 

Apenas desse modo será possível construir uma empresa mais coesa, eficaz e efetiva. Abaixo separamos algumas dicas para quem quer eliminar para sempre os 3 M’s de sua organização. Acompanhe!

  • Procure reduzir cada um dos desperdícios de maneira individual e independentemente, eliminando os problemas completamente; 
  • Estabeleça um processo de melhoria contínua, para que as falhas já solucionadas não voltem a ocorrer; 
  • Sempre peça pelo feedback dos colaboradores, buscando entender a efetividade das ações implementadas;
  • Procure sempre trabalhar com base nos processos principais, diminuindo ao máximo suas ramificações. No entanto, tenha cuidado para não fazer cortes indevidos; 
  • Estabeleça diversos tipos de análises e em períodos diferentes, para identificar novos problemas e solucioná-los antes que causem grandes danos.

E aí, o que achou dos 3 M’s? Está preparado para implementar esse processo em sua empresa? Se você deseja continuar acompanhando os melhores conteúdos sobre gestão da qualidade, conheça o nosso blog! Aqui sempre postamos artigos atualizados com temas que vão deixar o seu dia a dia profissional muito mais simples e produtivo!

Autor

Sou graduado em Jornalismo pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), pós-graduação em Jornalismo Esportivo pelo Instituto de Pós-Graduação e Graduação (IPOG), especialização em revisão pela Unicamp, além de cursos de revisão e otimização de textos pela Rock Content.

Escreva um Comentário