Quais são os 5 princípios do Lean Manufacturing?

Com toda a certeza o Lean Manufacturing é uma das metodologias de produção mais utilizadas ao longo da história industrial nas mais diferentes áreas. E você sabe quais são os princípios do Lean?

O formato de trabalho da metodologia gera um grande ganho de produtividade, deixando processos menos confusos, diminuindo os gastos com montagem e o tempo de produção.

Nesse sentido, adotá-lo em sua empresa é uma ótima ideia para aumentar os lucros e elevar a qualidade dos serviços. 

Para isso, no entanto, é necessário ter um conhecimento profundo sobre a metodologia, bem como os princípios do Lean que a tornam tão eficaz. 

Para te ajudar, criamos um artigo completo com tudo que você precisa saber sobre os princípios do Lean Manufacturing, além de exemplos práticos de como esse formato se aplica dentro do ambiente corporativo. 

Ficou curioso para saber mais? Continue acompanhando e descubra tudo sobre essa metodologia.

Quais são os pilares do Lean Manufacturing?

aplicacoes-principios-lean-manufacturing

Como citamos anteriormente, o Lean ainda tem como principal foco a utilização dentro do ramo industrial

Afinal, é nessa área que os princípios do sistema são aplicados em sua totalidade, gerando um aumento dos lucros e da produtividade, análoga à redução de desperdícios. 

Sendo assim, confira abaixo quais são os 5 princípios do Lean Manufacturing e como eles se aplicam na prática dentro das empresas.

1. Valor

Dentro dos princípios do Lean, o valor se trata do antônimo do preço. Enquanto o segundo é o simples custo de um produto, o valor é estabelecido por uma série de critérios que vão muito além do produto em si. 

Ou seja, o valor representa todo o processo pelo qual o produto passou até chegar nas mãos do consumidor

Nesse sentido, costuma-se dizer que é o cliente quem cria o valor do produto e não a própria empresa. Isso porque, o comprador escolhe o quanto deseja pagar por aquele material, bem como pelo cenário no qual ele está envolvido. 

Um exemplo bem claro disso são as marcas que se tornam mais conhecidas do que o nome real do produto que vendem. 

O consumidor, ao se deparar com elas no mercado, faz uma associação automática do produto que deseja. 

Sendo assim, as escolhe e realiza a compra, mesmo pagando mais do que pagaria por um produto semelhante de outra marca. 

Isto é, o cliente estabelece para o material um alto valor pelo qual está disposto a pagar, apenas pela credibilidade que a marca tem no mercado.

Leia também >>> O que é agregação de valor? Saiba como evitar desperdícios.

2. Fluxo de valor

O fluxo de valor dentro dos princípios do Lean Manufacturing está diretamente ligado ao princípio 1. 

Enquanto o primeiro se trata de uma junção de processos para determinar o custo, o segundo fala diretamente sobre o mapeamento de processos que agregam valor ao produto final. 

Ou seja, o fluxo de valor se trata de todo o contexto do material antes que ele seja colocado para a venda, tanto em relação à produção quanto à divulgação. 

Em exemplo, o princípio 2 do Lean inicia no brainstorming para criação de um novo material, aquisição de matéria-prima para ele e cada um dos processos de produção.

Posteriormente, vem sua distribuição logística e, por último, as ferramentas de marketing utilizadas para torná-lo conhecido.

3. Fluxo contínuo

O fluxo contínuo se trata de um dos pilares do Lean Manufacturing mais importantes. Na prática, ele abrange o conceito total de produção que deve ser realizado da maneira mais enxuta e correta possível. 

Ou seja, trata diretamente sobre o dia a dia produtivo da empresa e cada um dos processos para a criação do material

Dentro desse princípio se encaixa também a busca constante pela redução de etapas que se faz necessária para tornar a rotina mais enxuta e com menos desperdícios

Na prática, um grande case de sucesso na aplicação do fluxo contínuo é a Nike, que conseguiu reduzir em 15% seus desperdícios através de uma análise dos processos da empresa. 

Atualmente, a empresa é uma das maiores do mundo com um valor agregado à marca capaz de fidelizar novos clientes todos os dias. 

4. Produção puxada

Evitar excessos e produzir apenas conforme a demanda. Esse é o quarto princípio do Lean Manufacturing e um dos que têm maior impacto dentro do capital de giro da companhia. 

Quando esse processo não é realizado da forma adequada, é comum que os estoques aumentem substancialmente, gerando a escassez de recursos e uma ocupação demasiada dos espaços físicos da companhia. 

Nesse sentido, a produção puxada vem para auxiliar as organizações a não comprometerem seu capital de giro e nem sua locação

Através dela, a empresa trabalha conforme seu ritmo de venda em uma constância ditada pelos próprios consumidores.

Um grande exemplo disso está no ramo editorial, onde são produzidos livros para a venda conforme a saída das primeiras tiragens. 

Inicialmente, realiza-se apenas uma edição, sendo lançadas infinitas outras posteriormente caso o número de vendas tenha sido satisfatório. 

5. Perfeição

O quinto princípio do Lean Manufacturing se trata do maior objetivo da metodologia: atingir a perfeição dos métodos produtivos. 

Evidentemente, esse é um grande desafio para as empresas que trabalham conforme os pilares da ferramenta, porém, ele funciona como uma espécie de meta a longo prazo dentro da companhia. 

Afinal, a perfeição só é tangível a partir da melhoria contínua que precisa estar sempre em vigência dentro das corporações

A partir da aplicação de métodos cada vez mais enxutos, o cenário da empresa se tornará impecável, sempre apresentando o melhor de sua produtividade e lucro. 

Como exemplo, é bacana citarmos a própria Toyota, maior referência sobre o método e que criou um formato de produção perfeito ao ponto de ser replicado em milhares de empresas ao redor de todo o globo. 

Aplicações dos princípios Lean 

Como citamos anteriormente, os princípios do Lean são nada mais nada menos que uma das ferramentas de produção mais famosas do mundo. 

Nesse sentido, a metodologia é aplicada não apenas dentro da área industrial, tendo se expandido também para outros nichos alternativos. Conheça alguns deles:

Lean Healthcare

Apesar de ser uma das aplicações mais comuns, ainda existem muitas perguntas sobre o que é Lean Healthcare. 

O Lean Healthcare se refere diretamente a aplicação dos princípios do Lean dentro da área da Saúde, com o objetivo de diminuir o tempo de espera por paciente e o aumento na qualidade de atendimento individual. 

A principal referência dessa área é o Centro Médico Virginia Mason, que tem aplicado com excelência as indicações do Sistema Toyota de produção e vem agradando bastante os usuários. 

Lean Office 

O Lean Office, por sua vez, é a aplicação dos princípios do Lean dentro dos ambientes administrativos, com o objetivo de tornar os processos do escritório mais enxutos. 

Dentro desse cenário, a redução do desperdício de materiais é um dos pontos mais abordados, tendo em vista que o acúmulo de papel e demais arquivos é cena recorrente nesse ambiente. 

Tecnologia da Informação (TI)

Na área de Tecnologia da Informação (TI), os princípios do Lean são aplicados para reduzir o tempo dos processos e torná-los melhores, sempre utilizando os princípios básicos desse sistema. 

No nicho de tecnologia da informação, o foco é aproximar os gestores dos profissionais e implementar a inovação e automação dentro da cultura organizacional da empresa.

Capacite-se em Lean Manufacturing

Sabendo dos 5 princípios do Lean Manufacturing, trazê-lo para a sua companhia não será mais um desafio tão grande. 

E para fazer isso com precisão e qualidade, invista em um curso de Lean Manufacturing. Aqui na CAE, você começa do nível básico e vai até o avançado:

Nos treinamentos, você terá um maior conhecimento sobre a metodologia, as ferramentas e conceitos utilizados.

Sendo assim, se você deseja continuar aprendendo sobre os melhores conteúdos do mundo corporativo, conheça o nosso blog e descubra tudo sobre os assuntos que vão revolucionar o método que sua empresa produz e se apresenta no mercado!

Autor

Formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual Paulista - UNESP - com as certificações Green Belt - 6 Sigma, Aerodinâmica aplicada e Python no currículo, hoje faz parte do time da CAE Treinamentos, ministrando cursos e realizando consultorias na área.