Como usar o PDCA e Diagrama Espinha de Peixe?

Nas organizações, é importante que os colaboradores tenham conhecimento do método PDCA. Trata-se de uma metodologia de melhoria e gestão de processos baseada em quatro princípios cíclicos: Plan (planejar), Do (fazer), Check (checar) e Action (agir).

Também conhecida como Ciclo de Shewhart ou Ciclo de Deming, esta metodologia foca na agilização dos processos de gestão, para que se tornem mais claros, objetivos e eficientes. Tudo isso acontece por meio de um ciclo: quando a última fase é finalizada, o ciclo é reiniciado para identificar novas oportunidades de melhoria que não foram observadas antes e, assim, manter a empresa sempre em busca de inovação.

Mas e se os resultados obtidos não forem satisfatórios? Bem, neste caso, é necessário revisar o PDCA, retomar o ciclo desde a fase inicial e verificar quais medidas podem ser tomadas para resolver os problemas que surgiram e assim por diante em todos os processos.

De onde surgiu o PDCA?

A história desta metodologia remete à época da Segunda Guerra Mundial, quando o professor William Edwards Deming viajou para o Japão a fim de ajudar as empresas nipônicas a se reestruturarem depois da derrota do conflito.

A economia do país estava devastada, de modo que foi necessário que alguma medida urgente fosse tomada para evitar um eventual colapso. Foi aí que surgiu o método PDCA da forma que conhecemos hoje; Deming sugeriu que as propostas de Walter Andrew Shewhart, físico norte-americano, fossem aprimoradas.

Deming já era um profissional renomado, muito conhecido por seus esforços nos processos produtivos de qualidade em seu país. Assim, suas ações foram essenciais para a popularização do ciclo PDCA, que foi utilizado de forma efetiva em um dos piores momentos da economia japonesa.

Afinal, quais são as fases do PDCA?

Como mencionamos acima, o ciclo PDCA é formado por quatro etapas, que consistem em planejar um sistema, executar o que foi planejado, verificar se esta execução está seguindo o plano e, por fim, tomar ações para corrigir e melhorar eventuais pontos que forem necessários.

A primeira etapa, de planejamento, consiste em estabelecer os objetivos necessários para entregar os resultados esperados de acordo com as metas da empresa. Já a segunda, que diz respeito à execução do plano feito anteriormente, consiste em executar o processo ou até mesmo fazer o produto planejado.

Em seguida, é necessário estudar os dados que foram obtidos na fase de execução para compará-los com os resultados esperados na primeira etapa. Assim, fica mais visível se houve diferenças entre o que foi planejado e o que realmente ocorreu. Por fim, a última fase do PDCA é tomar as ações corretivas e de melhorias sobre essas diferenças que foram notadas. Aqui, vale também analisar as diferenças para verificar suas causas.


Clique no botão abaixo para se inscrever no nosso canal!!!

Aplicação prática do PDCA e Diagrama Espinha de Peixe

Pode parecer trabalhoso à primeira vista, mas a verdade é que o método PDCA pode ser utilizado na prática junto de algumas ferramentas de gestão em cada uma das fases, que ajudam a deixar tudo mais claro. Por ora, vamos focar em apenas uma delas: o Diagrama de Ishikawa, ou “Diagrama Espinha de Peixe”.

O que é o Diagrama de Ishikawa?

Também conhecida como “Diagrama de Espinha de Peixe” ou “Diagrama de Causa e Efeito”, esta é uma ferramenta de qualidade que ajuda a levantar e visualizar as causas (efeitos) de um problema, analisando todos os fatores envolvidos no processo.

Este método foi criado na década de 60 por Kaoru Ishikawa, e envolve todos os aspectos que podem ter causado o problema. Assim, as chances de que algum detalhe seja esquecido ou desconsiderado diminuem bastante.

O Diagrama de Ishikawa trabalha com a relação existente entre os resultados indesejados de um processo e os fatores que podem contribuir para que este tenha acontecido. As causas do problema são levantadas e organizadas, de modo que o resultado final é bem parecido com o desenho do esqueleto de um peixe.

Como aplicar o Diagrama Espinha de Peixe no PDCA?

Conforme mencionamos, a primeira fase é a de planejamento. Utilize este momento para estabelecer os objetivos e processos que serão necessários para entregar os resultados esperados pela organização – sempre respeitando a missão, valores e políticas da empresa.

Nesta etapa inicial, já é possível aplicar o Diagrama de Ishikawa para visualizar com mais clareza tanto a situação em questão quanto as suas etapas. O Diagrama mostra até mesmo as causas que não têm relação com o âmbito profissional, mas que mesmo assim podem influenciar o que acontece na empresa – como problemas financeiros e familiares, por exemplo.

Ficou interessado? Confira abaixo os passos que devem ser seguidos para criar seu Diagrama Espinha de Peixe com PDCA:

1. Defina o efeito – ou seja, o problema – que será analisado. Ele deve ficar dentro de um retângulo.
2. Agora, faça uma seta direcionada para o efeito.
3. Analise todas as causas que podem ter gerado este efeito. Verifique tudo que for possível, mesmo que pareça improvável.
4. Divida as causas em categorias, como “trabalho” e “finanças”, por exemplo.
5. Com as categorias definidas, crie subgrupos. No caso de “família”, os subgrupos podem ser “filhos”, “parceiro”, etc.
6. Depois, destaque a causa principal que gerou o problema em questão.
7. Descobriu qual é a razão principal? Agora, considere as possibilidades de solução viáveis e quando elas podem ser aplicadas.

Conclusão

É claro que outras ferramentas – sejam elas já existentes ou criadas pelos próprios colaboradores – também podem ser aplicadas para garantir o máximo da eficiência do ciclo PDCA. Afinal, o que levará a organização à excelência dos resultados é o modo de arranjar o sistema produtivo.

Além disso, vale lembrar: além de ferramentas de produtividade e organização, é essencial ter uma boa comunicação e liderança para que o sucesso seja alcançado pela empresa.

Esperamos que este artigo tenha tirado suas dúvidas a respeito do ciclo PDCA, suas aplicações e como utilizá-lo junto do Diagrama Espinha de Peixe. Para continuar seu aprendizado, sugerimos as seguintes leituras:

Como fazer um Diagrama de Ishikawa

5 métodos para promover a análise e melhoria de processos

Como implantar o 5S em 5 passos

Não se esqueça de acompanhar as publicações do nosso blog, se inscrever no nosso canal do YouTube e curtir nossa página do Facebook para ficar por dentro de todas as novidades!

Autor

Jornalista e social media formada pela Unesp.

Escreva um Comentário