Indicadores gestão de riscos: o que são e como organizá-los

Parte indispensável da gestão de riscos, o acompanhamento dos indicadores de gestão de risco deve ser uma prioridade para conter o impacto dessas ameaças, na empresa.

Os indicadores são usados para avaliar a probabilidade dos riscos aos quais os negócios estão expostos, acontecerem.

A gestão de risco é baseada, fundamentalmente, em dois aspectos:

  • a probabilidade de um risco se tornar realidade;
  • o impacto que ele terá na estrutura da empresa.

Por isso, quando falamos sobre indicadores de gestão de risco normalmente estamos nos referindo a métricas que medem o quanto o potencial dos riscos ocorrerem diminuiu e o quanto o impacto na organização foi controlado.

Na imagem a seguir você tem acesso à matriz de gestão de riscos:

indicadores de gestão de risco

De maneira geral os indicadores de gestão de risco são usados para:

  • medir a probabilidade;
  • o impacto;
  • e melhoria desse quadro mediante as ações realizadas para conter as ameaças à empresa.

Entretanto, a definição dos indicadores deve ser feita com o apoio dos demais objetivos estratégicos da organização, que geralmente envolvem metas:

  •  financeiras;
  • de produção.

Associados à gestão de riscos os indicadores desses setores poderiam ser:

  • riscos de perda de receita;
  • risco de diminuição de produtividade.

Eu ainda incluiria mais um indicador de gestão de riscos fundamental: indicador de perda de credibilidade.

Como usar os indicadores de gestão de risco de maneira eficiente?

Os indicadores de gestão de risco devem ser usados como sinais de alerta para que a organização priorize suas ações de enfrentamento à ameaça de acordo com os valores apresentados pelos KRIs (indicadores de risco).

A matriz que apresentamos acima é uma ferramenta visual que permite uma identificação clara dessas prioridades.

Entretanto, além de sinal de alerta os indicadores de gestão de risco também têm outra função: mostrar se os planos de ação para diminuir os efeitos das ameaças estão funcionando.

O objetivo da identificação dos riscos prioritários é que sua empresa possa eliminá-los antes que eles realmente ocorram.

Em casos em que a eliminação do risco não é possível a organização deve trabalhar para reduzir uma das variáveis centrais, ou seja, reduzir o impacto ou a probabilidade de ocorrência.

Como saber se esse controle está acontecendo de maneira satisfatória? Por meio do acompanhamento dos indicadores de gestão de risco.

Tipos de indicadores de risco

Entre as particularidades dos indicadores gestão de riscos está sua natureza adaptativa, isso porque os KRIs variam de acordo com o setor ao qual o risco pertence originalmente.

Um risco de queda de receita é um indicador originalmente financeiro, por exemplo.

Indicadores financeiros

Entre os indicadores de gestão de riscos financeiros podemos citar como principais:

  • perda do poder econômico do público-alvo,
  • mudanças tributárias;
  • novos produtos e serviços substitutos entrando no mercado;
  • mudanças na legislação que impeçam ou dificultem o comércio da mercadoria;
  • custos imprevistos como processos trabalhistas.

KRIs de gestão de pessoas

Seus funcionários são seus principais ativos por isso muitos indicadores de RH estão envolvidos na gestão de risco, entre eles:

  •  queda de produtividade;
  • problemas de relacionamento no ambiente de trabalho;
  • alta rotatividade de pessoal;
  • greves;
  • lacuna no domínio de novas ferramentas do setor.

Indicadores de riscos operacionais

Os indicadores de gestão de riscos ligados ao setores operacionais consideram fatores que podem impedir ou atrapalhar a execução ideal do que é considerado o core business do negócio.

Uma fábrica de cartuchos de tinta para impressora que apresenta falhas em uma máquina que enche os cartuchos com a tinta da cor certa por ter muitos problemas em decorrência disso como a paralisação da produção ou o desperdício de um lote inteiro de material.

Entre os exemplos de indicadores de gestão de risco que você deve acompanhar nessa área estão:

  • risco de falha na segurança de dados;
  • problemas técnicos com máquinas e ferramentas fundamentais para a execução das tarefas diárias no negócio;
  • falhas gerais de produção;
  • matéria-prima danificada;
  • riscos de segurança no trabalho que possam causar acidentes graves e mais. Muito mais!

Os indicadores de gestão de riscos prioritários para seu negócio devem estar ligados às prioridades estratégicas do negócio.

Isso quer dizer que cada empresa terá sua lista própria de indicadores de gestão de risco prioritários.

Independente da definição dos KRis da sua empresa, lembre-se de mantê-los:

  • específicos;
  • mensuráveis;
  • relevantes;
  • temporais.

Leia também: Quais são os indicadores de qualidade centrais para gestão?]

FIQUE LIGADO: alguns indicadores podem precisar ser monitorados diariamente ou mesmo em tempo real (como é o caso de falhas em máquinas), outros podem se acompanhados com maior periodicidade. Nesses casos não deixe passar de 3 meses.

Como dominar as técnicas certas para gestão de riscos?

O monitoramento dos riscos da empresa também está relacionado à política de melhoria contínua de um negócio e à gestão de processos organizacionais. Entre as ferramentas que auxiliam no monitoramento desses processos, encontramos a Lean Seis Sigma, que reúne:

  • a estratégia Seis Sigma, um método estruturado de resolução de problemas, com ferramentas de apoio estatístico;
  • o Lean Manufacturing, que aponta para questões de rapidez, fluidez, comunicação interna entre a equipe e redução dos desperdícios.

A CAE treinamentos oferece um curso gratuito para quem deseja começar a aprender mais sobre Lean Seis Sigma, além das certificações como White Belt, Yellow Belt, Green Belt e Black Belt, para profissionais mais avançados  na gestão de projetos e processos de qualidade.

Com mais de 3.500 alunos EAD e mais de 30 turmas presenciais, você terá acesso a cursos de qualificação e treinamento em gestão e processos que se encaixam à sua realidade. Conheça nossos cursos e saiba como podemos ajudar você a conquistar uma posição de destaque no mercado.

Autor

Autor de 2 livros publicados: "Lean Six Sigma: O guia básico da metodologia" e "101 Dúvidas sobre Lean Six Sigma". É formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual Paulista - UNESP. Estudou Business and Process Management pela University of Arkansas - EUA, direcionando sua especialização em Lean Seis Sigma. Professor de empresas como BRF, Plasútil, Usiminas, Petrocoque, Avon, Mondelli, UNESP, JohnDeere e de mais de 35.000 alunos na comunidade online. Com mais de 26 mil certificados emitidos, é CEO da CAE Treinamentos, uma plataforma focada em melhoria contínua e gestão de processos.