Como fazer um Diagrama de Ishikawa e melhorar seus processos

O diagrama de Ishikawa, também conhecido como espinha de peixe, diagrama de causa e efeito ou 6M, é uma ferramenta amplamente utilizada em todo o mundo. Neste artigo vamos aprender como fazer um diagrama de Ishikawa e como aplicá-lo na resolução de problemas de sua empresa.

A aplicação do diagrama de Ishikawa é uma maneira eficaz de melhorar os processos e controlar a qualidade nas organizações.

Conheça nosso Guia para o Gráfico de Ishikawa

Saiba como construir uma das ferramentas mais importantes na identificação de causa raiz e geração de ideias!

Criado por Kaoru Ishikawa, o diagrama tem como principal finalidade a organização do raciocínio sobre as possíveis causas de um problema prioritário, analisando todo o seu processo e os efeitos decorrentes.

O diagrama foi elaborado com o objetivo de incentivar as pessoas a pensarem sobre as principais causas e razões que fizeram determinado problema ocorrer.

Para tanto, é comum utilizar perguntas como “por que este problema ocorre?” ou “quais as causas do problema?”. As perguntas tornam o processo de como fazer um diagrama de Ishikawa, mais simples.

Ficou interessado? Então, continue a leitura e entenda como fazer um diagrama de Ishikawa e veja quais são os principais processos da ferramenta de gestão.

Como o diagrama de Ishikawa pode ajudar sua empresa

Antes de começar a aprender como montar um diagrama de Ishikawa é fundamental compreender como ele pode ajudar a sua empresa, isto é, quais os benefícios o seu negócio terá ao empregar esse diagrama.

É válido destacar que essa ferramenta pode ser uma representação gráfica de fácil entendimento e simples de ser construída.

Utilizá-la em consonância com outras metodologias, como uma reunião de brainstorming, pode potencializar o seu rendimento.

Os passos tradicionais de um brainstorming realmente podem ser embaraçosos a alguns profissionais e com isso, os resultados serão um fiasco. FELIZMENTE, existe um método que torna o brainstorming possível e efetivo! Isso mesmo, você pode ter resultados satisfatórios ao utilizar essa técnica. Confira os passos no vídeo abaixo.


Clique no botão abaixo para se inscrever no nosso canal!!!

Entretanto, destaca-se que o método, por si só, não realiza nenhum milagre. É preciso contar com profissionais que se interessem em como ser um bom líder. Eles irão coordenar as reuniões e os participantes experientes com pleno conhecimento do assunto.

Essa forma de utilização do diagrama é capaz de gerar excelentes resultados, como:

  • Prover uma melhor visibilidade dos problemas
  • Identificar e hierarquizar as suas possíveis causas
  • Aperfeiçoar os processos
  • Envolver toda a equipe na gestão de qualidade
  • Organizar as ideias
  • Facilitar a elaboração de soluções inovadoras.

Leia mais: 5 dicas de gestão para sua empresa

Como fazer um diagrama de Ishikawa: os 6Ms

Uma das maneiras de como montar um diagrama de Ishikawa se dá pela subdivisão e classificação dos problemas em 6 tipos de causas mais comuns. Obviamente, todas se iniciam com a letra M, permitindo que o método seja chamado de 6M.

1. Mão de obra

O primeiro tópico de como fazer um diagrama de Ishikawa é analisar a mão de obra.

Os problemas de mão de obra estão diretamente ligados à execução das atividades pelos colaboradores. Pressa, imprudência, incompetência e, em alguns casos, baixa qualificação podem representar resultados negativos.

Além disso, é preciso certificar que os trabalhadores estejam de acordo com a cultura da empresa, evitando que eles prestem um mau serviço por não concordarem com alguma atitude, por exemplo.

2. Matéria-prima

A matéria-prima e os materiais utilizados também podem ser a causa de problemas. Seja por estarem fora das especificações, seja por conterem volume incorreto, por exemplo.

O bom relacionamento com os fornecedores é uma maneira de garantir a entrega de produtos de qualidade, na quantidade ideal.

3. Máquinas

A falta de manutenção preventiva periódica ou a sua realização sem o devido cuidado, pode ocasionar sérios problemas. Além disso, a operação de forma irregular também pode ser considerada a fonte de situações negativas.

Máquinas paradas são danosas para uma empresa, sendo assim é preciso garantir que elas sempre estejam em condições de serem operadas e que o seu manuseio seja realizado pelas pessoas certas.

4. Medidas

Outro passo importante para aprender como montar um diagrama de Ishikawa é entender dados.

As formas escolhidas para medir, monitorar e controlar os processos também podem ser causadoras de interferências negativas. O uso de equipamentos com erro de aferição pode provocar prejuízos inimagináveis, por exemplo.

Além disso, é fundamental saber como utilizar as métricas escolhidas, evitando retrabalhos e, consequentemente, aumentando a chance de novos erros.

5. Meio ambiente

Os problemas relacionados ao meio ambiente estão diretamente ligados a situações que podem impactar o seu campo de trabalho: Fatores como:

  • Diversos tipos de poluição
  • Efeitos da chuva
  • Instabilidade do tempo
  • Excesso de poeira são alguns exemplos característicos.

Os problemas relacionados ao ambiente interno de uma organização também merecem destaque. Layout incorreto, falta de espaço e o barulho excessivo são situações que podem diminuir a produtividade dos profissionais e aumentar a exposição a erros e falhas.

Prover um ambiente de trabalho favorável é essencial para que os colaboradores consigam executar suas atribuições com a qualidade exigida e necessária.

Se você deseja dar uma atenção especial à produtividade de sua empresa, sugerimos que leia o artigo, 6 dicas para te ajudar a aumentar a produtividade

6. Método

O último M do diagrama de Ishikawa se refere aos métodos utilizados pela companhia para a execução de suas atividades.

O uso de softwares ou outras ferramentas podem não ser a melhor maneira para cumprir com seus compromissos.

Além disso, a maneira como são realizados o planejamento e o controle de tudo que está acontecendo ao seu redor também é importante para o correto funcionamento da empresa.

É válido ressaltar que no processo de como fazer um diagrama de Ishikawa, nem todos os Ms devem ser obrigatoriamente utilizados. A ideia é permitir que a equipe possa pensar em todos os fatores que podem impactar no problema, evitando esquecer algum item importante.

Agora que você conhece os 6Ms é hora de colocar a teoria em prática, conhecer o exemplos de Ishikawa e aprender como fazer um diagrama de Ishikawa na prática.

Como montar um diagrama de Ishikawa

A utilização do diagrama de Ishikawa não apresenta nenhum segredo. Abaixo separamos 4 etapas fundamentais de como fazer um diagrama de Ishikawa.

  1. Defina qual problema será analisado. Escolha apenas uma situação, evitando ser genérico ou tentar resolver tudo de uma vez só.
  2. Reúna todas as informações a respeito desse problema. Aqui é o local em que entra a espinha de peixe: faça um traço na horizontal, de maneira que ao lado direito fique o problema e perpendicularmente a esse traço os 6Ms.
  3. Reúna toda a equipe. A reunião deve ser multidisciplinar, garantindo que todas as pessoas que possam contribuir estejam presentes. Assim, deve-se promover uma sessão de brainstorming, buscando identificar as principais causas.
  4. Analise as causas. Avalie cada um dos pontos elencados, classificando-os e priorizando-os com o intuito de constatar as causas que representam um impacto maior.

Assim, é possível criar um plano de ação, atribuindo responsabilidades e prazos para cada uma das ações, solucionando os problemas.

 

O que deve conter no diagrama

Um bom exemplo de Ishikawa é o desenho do diagrama. Ele é o documento que todos os colaboradores utilizam para realizar as atividades e conseguir solucionar os problemas.

A seguir separamos uma imagem de exemplo de Ishikawa, para você entender melhor como fazer um diagrama de Ishikawa.

Como fazer um diagrama de Ishikawa

Agora que você já tem a imagem visual, segue um passo a passo para desenhá-lo corretamente. Deve-se garantir a presença de alguns componentes:

  • Cabeçalho: título, autores e data;
  • Efeito: indicador de qualidade e o problema a ser analisado (lado direito);
  • Eixo central: flecha horizontal apontada para o efeito (linha horizontal no meio da folha);
  • Categorias: grupos de fatores relacionados com o efeito;
  • Causa: motivos mais importantes que podem ocasionar o efeito;
  • Subcausa: causa secundária que pode contribuir com uma causa específica.

É interessante destacar que o diagrama de Ishikawa é uma das 7 ferramentas de qualidade que podem ser utilizadas para melhorar a gestão de um negócio. Contudo, antes de aplicar qualquer uma delas, é preciso estudar e se capacitar. Dessa forma será possível garantir a correta utilização de cada ferramenta. Pense nisso!

O que achou do nosso artigo? Entendeu os processos e como fazer um diagrama de Ishikawa? Continue acompanhando outros conteúdos exclusivos curtindo a nossa página no Facebook!

A CAE Treinamentos é uma empresa formada por engenheiros experientes, voltada para a formação e capacitação de profissionais para o mercado de trabalho. Oferecemos cursos de gestão e melhoria de processos desde o nível básico ao avançado.

Com mais de 3.500 alunos EAD e mais de 30 turmas presenciais, você terá acesso a cursos de qualificação e treinamento em gestão e processos que se encaixam à sua realidade.

Conheça nossos cursos e saiba como podemos ajudar você a conquistar uma posição de destaque no mercado.

Autor

Formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual Paulista - UNESP. Estudou Business and Process Management pela University of Arkansas - EUA, direcionando sua especialização em Lean Seis Sigma. Tornou-se Master Black Belt e hoje está à frente da CAE Treinamentos, ministrando cursos e realizando consultorias na área.

Escreva um Comentário