Metodologia Seis Sigma: o que é + exemplo de cálculo

Você conhece a metodologia Seis Sigma? Trata-se de um sistema de gestão quantitativo, estruturado e disciplinado para buscar a redução de custos, otimização de produtos e processos e, no fim, aumentar a satisfação do cliente com o serviço ou produto. Neste artigo, você vai conferir a definição da metodologia, a diferença entre os níveis seis sigma e cinco sigma, um exemplo prático que ocorreu em uma grande empresa e como realizar o cálculo da diferença dos níveis Sigmas. Confira: 

O que é a metodologia Seis Sigma

Desenvolvido durante a década de 80, o Seis Sigma é um programa de qualidade criado na Motorola com o objetivo de aumentar o desempenho da empresa enquanto promove a plena satisfação dos clientes. De acordo com a metodologia, isso ocorre por meio da redução e controle da variação dos processos fabris e administrativos.

O Seis Sigma ficou conhecido no mundo todo no final dos anos 2000, depois de ter alavancado retornos de aproximadamente 1,5 bilhão de dólares para a General Electric. Assim, o Seis Sigma foi deixando de ser usado por empresas restritas e passou a ser empregado em diversas organizações de variados setores em todo o mundo.

Nível Seis Sigma: o que muda?

O nome Sigma  é representado pela letra grega de mesmo nome, que significa “desvio padrão”. Essa é uma das medidas de variação mais aplicadas no ambiente corporativo, que indica que, quanto maior for o nível Sigma, menor será a variabilidade final do processo ou produto. 

Por exemplo, se uma empresa tiver seus processos no nível 1 Sigma, isso significa que aproximadamente 700 mil defeitos em produtos ocorrerão a cada 1 milhão de oportunidades. Já no nível Seis Sigma, a empresa atinge a marca de apenas 3,4 produtos defeituosos por milhão, um número muito baixo se pensarmos em uma produção de larga escala. 

Alcançar este desempenho não é fácil. Por isso existe o programa de qualidade Lean Seis Sigma, que conta com estrutura organizacional e diversas ferramentas para auxiliar as empresas a alcançar um rendimento que pode parecer difícil, mas que irá conferir diversos benefícios para a empresa.

Case Amazon

Em 2013, a Amazon, a gigante de varejo, realizou sua tradicional Cyber Monday. O evento rendeu um total aproximado de 36,8 milhões de pedidos. Entretanto, existe a possibilidade de aparecerem itens defeituosos na produção, que irão diminuir a satisfação do cliente e aumentar os custos.

A grande sacada dessa situação está, na verdade, na diferença entre os níveis cinco sigma e seis sigma. Observe: no caso do nível cinco sigma, o total de pedidos apresentaria 8574 erros entre eles, pois este nível considera 233 produtos com defeito a cada 1 milhão. 

Agora, se formos considerar o nível seis sigma, que indica 3,4 produtos com defeito por milhão, o número de erros cai para apenas 125, o que significa uma redução de 98,543%. Em porcentagem, essa diferença se traduz em 99,97670% contra 99,99966%. 

Essa diferença pode parecer até desprezível, mas deu para sentir que ela causaria um grande prejuízo, não é mesmo? Assim, além da grande redução, os outros benefícios se apresentam na satisfação do cliente, menor custo para produção e maior motivação dos colaboradores.

Nível Cinco Sigma x Seis Sigma

Para descobrir na prática as diferenças entre os níveis Sigmas, é preciso identificar o nível onde a empresa está. Imagine uma empresa que fabrique 200.000 unidades de algum produto por dia; entre todos esses produtos, surgem 45 itens com erros. Neste caso, temos 225 produtos defeituosos por milhão dentro das condições do Cinco sigma. 

Ao considerar a meta dentro do Seis Sigma, a empresa deve atingir dentre os 200.000 produtos diários uma média de 0,68 produtos com erro, ou seja, 3,4 produtos por milhão. Assim, notamos que a redução de erros passa a corresponder a 98,489% do nível Cinco Sigma para o nível Seis Sigma.

Para reduzir os erros, os colaboradores devem identificar possíveis gaps existentes na metodologia da empresa. Para isso, é importante ter uma visão dos macroprocessos para enxergar as relações entre as atividades desenvolvidas na empresa e, assim, notar onde estão as falhas. O método PDCA, FMEA e DMAIC são ferramentas muito úteis nesse momento. 

Com esses dados em mãos, chegou a hora de desenvolver um plano de ação para trazer as mudanças para os processos da organização e, assim, reduzir as falhas. Antes de qualquer ação, é preciso conhecer muito bem a empresa e sua execução de projetos para que seja mais fácil de identificar os problemas. Em seguida, é necessário planejar as ações que serão realizadas, com base em um cronograma com funcionários e custos já definidos. Após a execução deste planejamento, é preciso monitorar os resultados para verificar se tudo correu dentro do planejado e documentar os resultados.

Agora que você entendeu o que é a metodologia Seis Sigma…

Para você seguir com seus conhecimentos da metodologia, sugerimos as leituras abaixo: 

Desvio de Padrão Seis Sigma: o que é?

Seis Sigma em empresas brasileiras: uma análise prática e grandes cases de sucesso

Certificação 6 Sigma: conheça os tipos e benefícios da certificação

Não se esqueça de curtir nossa página no Facebook, se inscrever no nosso canal do YouTube e acompanhar as publicações do nosso blog para ficar por dentro de todas as novidades!

Autor

Jornalista e social media formada pela Unesp.

Escreva um Comentário